segunda-feira, 7 de setembro de 2009

BioBlogPE: TPV - TENSÃO PRÉ-VESTIBULAR

BioBlogPE: TPV - TENSÃO PRÉ-VESTIBULAR

Agradecido pela citação de meu nome na autoria do texto, não é o que tem acontecido por aí.
Abraços e sucesso.

terça-feira, 30 de junho de 2009

BICHO SOLTO

Nasci borboleta, bela, colorida e provida de luz, até me aparecer Franz Kafka, com ele tomei alguma simpatia pelas tão excluídas baratas. Nas eternas fugas das solas de todos os tipos de solados, vim sobrevivendo, se fosse pra morrer não teria de ser sob uma havaiana qualquer, como um sonho de consumo, adoraria ser humildemente esmagada pelo Rider, de preferência o do Marcos Palmeira.
Eis que me surge, em minhas fornicações enquanto barata, nos velhos sebos literários, George Orwell, lendo-o e relendo-o, fiz cá comigo minha própria revolução, não negando a categoria, claro, “Bichos Unidos Jamais Serão Vencidos”, mas, inevitavelmente me fiz uma leitoa, uma pig rosada como aquela voadora do disco do Pink Floyd. Mas vida de leitoa é bem complicada, manter-se em forma, sem aquelas incômodas gordurinhas, aqueles quilinhos a mais, pra evitar o abate, nos faz diferentes dos humanos que preferem os ossos à mostra da Gisele.
Caiu em meus ouvidos uma canção do Raul, tinha até mago de coadjuvante, um tal coelho, me vi então uma ambulante metamorfose, quis ser King Kong, símio malandro, que só traçava loiras cinematográficas, ou quem sabe Flipler, um golfinho boiolíssimo dos seriados da tv, já fui Lassie, Bethoven , Chita e até, saindo do mundo dos bichos, um fusca que falava...
Transmutações... Hoje minha condição de humana me causa alguma vergonha, que saudade das borboletas que, sem esforço algum, são belas, coloridas e providas de luz.
Moral da história ( Moral é invenção dos homens ), quanto mais me intero do mundo animal, mais os invejo e faço cá comigo minhas metamorfoses pessoais pra todos os momentos de minha atribulada vida. Tomo como verdadeiro o meu pavor da raça humana, há que se dizer por que ?

Abnegada Abgail

sábado, 6 de junho de 2009

SOBRE BODES E PATAS - Parábola sobre amores animais ... domésticos










Certa feita um bode (não era velho, mas já era rabujento), cismou de entrar na vida de uma patinha, o sucesso da investida foi tamanho, que tinha até camisa de fã clube. Tá bom, mas e daí? Daí que esse personagem não entrou na vida de ninguém apenas para dividir a ração e os prazeres da vida nas nossas fazendas diárias, ele queria na verdade, e ele era e é verdadeiro até hoje, era dividir tudo aquilo que dissesse respeito àquela que ele então passou a chamar de “sua patinha”.
Nem caberia na história os tantos momentos já vividos nessa relação um tanto inédita, inédita em quase tudo, e os dois sabem bem disso, bodes e patos não se ajeitam lá muito bem, ou se ajeitam até por demais de uma forma que muito pouca gente entende.
Todo mundo tem momentos de patos e/ou momentos de bode, salvo o trocadilho, momentos de bode também podem ser muito bons. Todo o mundo, inclusive os chineses lá da China e os burquina fassensse de Burquina Fasso tem momentos de luz, permeados, claro que, (Ih, lá vem merda) de momentos muito tristes e ruins, ou seja, entenda-se por lá vem merda tudo aquilo que com ou sem a nossa permissão nos tira um bocado de sossego.
Ansiedade, tensão, medo do carai (o que significa um medo grande e não pavor do pênis), não são lugar comum para nenhuma criatura na face da terra, e assusta, como assusta, e em momentos de grandes sustos e de um certo descontrole emocional (também chamado de choro), há que se ter sempre a mão, já que não um pelo de bode, um telefone pelo qual se liga e ali mesmo, na parte em que se fala, agora se chora.
É impressionante que a história do bode e da pata está arquivada e nunca teve um THE END, prenúncio, bom sinal, e nenhuma história tem fim se assim quisermos e fizermos que isso aconteça, assim como a história de nossas vidas e a história da vida das pessoas que amamos.
E disse Deus! E por que diabos Deus vai entrar agora nessa crônica agora? Porque, bode que é bom não berra e finge até que não conversa com Deus, balela (patas costumam odiar essa palavra), bodes conversam sim com seja lá quem for pra buscar respostas e razões pra tudo o que possa tirar sua patinha do travesseiro as tantas da manhã em pleno desalinho emocional. E é sabido que em seu último colóquio mais que particular com a divindade, obteve garantias e respostas das mais positivas e alentadoras para tudo aquilo aflige sua patinha. Sua divindade disse coisas que até Ele duvida, mas garantiu veementemente que tudo vai terminar da forma mais serena e vai dar a lógica: “No final, tudo vai dar certo”, isto foi ele quem me garantiu, agora tem que ser uma pata muito das atrevidas pra discordar da palavra do homi, vai querer???
No entanto, o choro chora, a dor dói, o medo amedronta, a ansiedade ansia e a preocupação preocupa e, nessas horas, só restam basicamente 2 opções, ou quem sabe 3, entregue-se ao sofrimento, ligue pra bodes dispostos ou acredite nas previsões e na confiança que manténs Nele, o cara, até porque ele sempre, desde que eu me entendo por bode, soube muito bem o que fez.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

ODE AOS VADIOS E PEDINTES

Fernando Pessoa na rua da Baixa
Não sinto, mas sou capaz de escrever a dor alheia, por vezes a imagino, o que para um pretenso poeta que não sou, não se trata de infame sadismo, afinal, alguém teria de descrever as dores do mundo, me encargo desse fardo, até porque nem parvo sou.
Pessoa, Oh Fernando belíssimo Pessoa, como a pequenez dos pobres, tristes e invejosos homens trazem em seu cerne a fingida ingenuidade “anônima”, destes sim, tenho pena, sinto muita pena, como a ti de seu vadio e pedinte em uma rua da baixa.
Não sou parvo nem romancista russo, aplicado, (e romantismo, sim, mas devagar...), mas, mais que nunca, amo e sou amado, mesmo que isso incomode mais a pedintes do que a vadios.
Quanta pena e decepção do flagelo dos tão conhecidos “anônimos”.

terça-feira, 26 de maio de 2009

DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ.

Queria dividir com alguém meus dias; alguém que como eu ouvisse sempre com espanto as flautas do Ian Anderson, que comesse pão na frigideira, que morresse de rir de piadinhas infames, assistisse a programas de entrevistas, odiasse gente que se mete a cuidar de nossas vidas, gente que se apagou pro mundo, gente que fala alto em lugares públicos e atende ao celular em locais impróprios.
Queria dividir com alguém meus dias, sejam eles de inverno, até porque são muito bonitos, queria dividir com alguém o meu sofrimento em filas, minha angústia com as desigualdades sociais, as derrotas do Flamengo e meu creme dental.
Seria muito bom dividir com alguém aquele último pedaço de bolo, aquela última ponta de esperança, aquelas manias que até então eram só minhas, e porque não minha cama e cobertor.
Quero dividir com alguém as emoções daquele show do Lenine, a gostosa leitura de um livro e as impressões sobre aquele filme do Almodovar.
Queria dividir com alguém essa ânsia de um mundo melhor, o cuidado com o meio ambiente e a alegria de uma manhã de sábado e de sol a comprar comestíveis de cor verde.
Como seria bom dividir com alguém preliminares e orgasmos...
Não sei se alguém me aturaria em minhas badtrips, mas queria poder dividi-las com alguém, queria contar com alguém, a qualquer momento e em qualquer lugar, pedindo palpites, dinheiro, conselhos e colo.
Quero dividir com alguém meus medos, altura, água fria, elevador, pitt bull e meu inventário de cicatrizes.
Já quis dividir com outro alguém o meu prazer naquilo que faço, já quis dividir com outro alguém as coisas que escrevo e até quis dividir com esse mesmo outro alguém um delicado e possível romance, foi difícil a partilha.
Hoje, decididamente, eu quero dividir com alguém minha conta bancária, minha paixão pelas crianças e animais e os palpites nos jogos de marcar números.
Hoje, também e definitivamente eu queria poder dividir com alguém todas as minhas dores, as do corpo e as da alma.
Poderia ser pra amanhã, mas eu ainda iria querer dividir com alguém esse tanto que ainda resta de mim, o que me coube e sobrou de tantas outras divisões.
Ainda penso que das sobras, sobrou um tanto assim de tempo, pra quem sabe dividir os meus últimos “subir e descer” de escadas e de humor.
Quero dividir com alguém nosso inevitável envelhecimento e nossa coragem de ainda assim nos amarmos.
Quero dividir tudo o que de bom eu tenho e que não deve ficar se enchendo de mofo nas gavetas do egoísmo.
Amor se divide e não deve ser lá muito bom, não deixar alguém chorando, porque até a morte se divide.
Que eu tenha tempo pra tantos desejos e partilhas.

terça-feira, 19 de maio de 2009

A CADA UM, O INFERNO QUE MEREÇA!


É provável que haja sim,
alguma relação com o inverno;
Vem do frio, vem do nada,
e viver se torna um inferno.

Nesta estação não veio mansa;
martiriza, dilacera;
novos velhos ventos vindos;
bem igual ao que dantes era.

Nas vagas das horas vãs
me recolho e não me entendo;
dei-me tanto em formas vis
e hoje me pego doendo...

Quão cíclico é estar vivo ...

sexta-feira, 15 de maio de 2009

GUARDADAS AS DEVIDAS PROPORÇÕES










Pra quem tem ou se aproxima da minha idade, o que aliás não a tornarei pública e é por pura vaidade mesmo, ficam lembranças bem interessantes dos tantos anos já vividos, e destas, as que, eu por exemplo, mais recordo com prazer são aquelas de coisas simples, bem simples mas que em determinado momento e contexto, fizeram toda a diferença. Alguém aí se lembra das balas soft (aquela que engasgava criancinhas), não pelo fato de entupir laringes infantis, mas por que eram boas mesmo.
Ando tentando em uma busca desenfreada comparar o prazer do amor com os prazeres simples e deliciosos da vida, se é que amor se compara a algo, mas por mera distração, tentei elencar coisas que me deram infinita alegria, quase perto daquela que sinto ao ter e dar amor a uma especial e exclusivíssima pessoa, então vamos lá:

Maria Lucia Padilha nunca me fez engasgar como as já citadas balas, mas amá-la e tê-la é de uma infinita doçura;
Maria Lucia Padilha não se parece com uma fita K7 Basf novinha, onde eu gravava meus rocks, mas amá-la e tê-la é ouvir mesmo que dormindo, Robert Plant em Going to Califórnia;
Maria Lucia Padilha não tem muito haver com a menininha das tirinhas “Amar é...”, até porque ela já é o próprio significado do verbo;

Maria Lucia não se compara àquela taça de “banana split”, até porque e muito antes pelo contrário, amá-la e tê-la eleva acintosamente a minha temperatura;
Maria Lucia não pode ser comparada ao Flamengo de 81, mas amá-la e tê-la é a certeza de domingos de muita alegria;
Maria Lucia não é uma tarde de sábado no programa do Chacrinha, amá-la e tê-la, bem sei e conjecturo é bem melhor que a própria Teresinha.

Lucia me lembra roupa nova de ir a missa, bonita, cheirosa e brilhante, que dá uma vontade de mostrar pra todo mundo e se levanta o nariz com excessivo orgulho;
Lucia é livro e caderno novo em fevereiro, que se encapa com carinho pra durar pro resto da vida;
Lucia é parque de diversões e amá-la e tê-la e tão emocionante como os recadinhos carinhosos do serviço de auto-falante.
Lu é a casquinha do sorvete que se come até o fim;
Lu é boletim todo azul em dezembro;
Um jeans velho, azul e desbotado;
Acampamento de última hora;
Caixa de lápis com 24 cores;
Picolé de goiaba na praia;
Vento forte nos cabelos;
Peixe beliscando a isca;
Água fria de cachoeira;
Tênis que não aperta;
Visita de padrinho;
Presente de Natal;
Lençóis brancos;
Bolas de gude;
Pés descalços;
Cama macia;
Chuva fina;
Férias;
Amor.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

A insustentável constância daquilo que chamamos ser ou estar


Assim ontem, assado hoje e no breu das próximas horas, não sei amanhã.
De cair o queixo a rapidez com que as coisas do mundo transformam a você e ao seu humor. Já nem se pode mais se dar o direito de programar um dia feliz para depois da meia noite, sabe-se lá que ventos soprarão contra ou a favor e, mesmo em extrema calmaria, pende-se a dúvida para o pavor das surpresas.
Contam-se em estalos de segundos o escurecer das nuvens que circundam por sobre nossas cabeças, hoje assim, daqui a muito pouquinho assado, medo e até algo próximo ao pânico nos rodeia frente a pequeniníssima possibilidade de mudança de tempo, tempo do outro, tempo do mundo, tempo de coisas das quais não nos ensinaram a ter o controle.
Hoje assim, quisera amanhã também, aí, de onde menos se espera disparam-se tiros e quilos de incompreensão, mal humores ou mesmo a simples vontade de tingir de formigas a toalha de seu piquenique.
Que dá medo, que medo que dá, ser feliz, dá medo.
Dil Sobrinho, assustado

quinta-feira, 23 de abril de 2009

E ai a máscara


Por um certo período, por motivos “diplomáticos” , me escondi atrás de um personagem que assinava minhas crônicas. O criei feminino e lhe batizei de Abnegada Abgail. Foi sem dúvida uma experiência inusitada e, por que não, deliciosa, encarnar uma suburbana alto astral e seus delírios diários.
Seguem alguns escritos “psicografados” a mim por uma tal Abgail.
Adilson

quarta-feira, 22 de abril de 2009

A velha e desbotada desculpa


Sempre tive paixão por carros pretos, homens altos, barbas por fazer e camisas pólo. Exatamente isso tudo aí era Jorge. Dentes brancos, peitão peludo, jeito meio grosseiro, aí, não teve jeito, paixão a primeira carona.
Não me lembro da marca do carro, mas me lembro de suas longas mãos indo e vindo no câmbio, uma fala mansa, jeans levemente desbotados e uma bota importada de Barretos que o fazia o meu Clint Eastwood.
Enamoramo-nos, buscava-me na repartição e eu, me atrasava na saída propositalmente pra que toda a peruada de minha seção me vissem entrando com aquele monumento no possante preto motor 8 cilindros, se bem que esse tanto de cilindros nunca fez muita diferença em nossas vidas. Jorge era meigo, carinhoso, divertido, atrapalhado e ainda tocava boleros em seu velho violão, só pra mim, ah ! Perfídia, não precisava de mais, eu não queria mais, adorava o seu jeito estranho e animal de puxar meus cabelos pela nuca e aproximar minha boca da sua, é certo que por vezes doía, mas nessa hora o que sempre importou foi o amor que vínhamos nutrindo um pelo outro.
Me levava a passeios românticos nos pedalinhos do lago, ele fazia uma força descomunal para me agradar, via todo o seu amor no suor que escorria e na vermelhidão do rosto após alguns quilômetros de pedaladas, éramos muito felizes.
Quis, com todo o direito, conhecer meus pais, marcamos pra um domingo, desde o acordar a casa era toda preparada pra ele, mamãe sugeriu colocarmos a mesa no quintal, papai gostou da idéia mas lembrou que Biscoito, nosso cão pequinês , provavelmente não daria sossego à visita, concordamos em ficar quietinhos dentro de casa e Biscoito bem alimentado e feliz do lado de fora pra evitar embaraços. O cardápio foi a parte mais difícil, resolvemos quase de última hora por um refogado de pescoço de peru que mamãe preparava magnificamente e que, provavelmente Jorge nunca teria comido e se esbaldaria.
Foi um sucesso, Jorge levantava papai à centímetros do chão, abraçando-o toda vez que juntos brindavam com uma cachaça mineira que não sei de onde apareceu, com mamãe dançou Altemar Dutra, até que as varizes de plantão de Dona Laíde não mais agüentaram, trouxe o violão e após nos enfartarmos de peru, tocou perfídia e me beijou longamente, me lembro daquele beijo até hoje, tinha o gosto do pudim da sobremesa. As vizinhas vieram conhecê-lo e teciam comentários muito positivos junto à mamãe, foi um sonho aquele domingo inesquecível.
Já se fazia um ano de nossa convivência harmoniosa, quando Jorge começou como que do nada a se afastar, se fazer distante, aparecer menos, e me beijar de forma mais casual, tentei renovar nosso caso, presenteei-lhe, dei tudo o que podia de mim, dei-me por completa, a distância, me parecia aumentar, percebi claramente que era o começo do fim.
Jorge desapareceu por exatos trinta dias, até que recebi no meu portão o carteiro com uma carta que trazia apenas o destinatário, percebi sua letra e a intenção de que ele não queria ser localizado. Tremi, temi, abri, era uma carta sim de despedida, sem uma real explicação de onde eu ou nós havíamos errado, ele estava me deixando, nos deixando e abrindo mão de todo o amor que eu sempre lhe devotei.
Ao final de sua carta, com sua letra rota e trêmula deixou uma breve nota ao pé da página:

__ Minha flor, é com grande e doloroso pesar que aqui termino com nosso sonho, mas acredite só o fiz por você, você merece coisa melhor !!!
Abnegada Abgail

Coroa é a sua avó!


Do que me consta, realmente nada a comemorar, ranzinza eu? Experimente ir perdendo o ar enquanto amarra os sapatos !
Essas datas são pra mim um horror, sempre me lembro que a tendência é só piorar, dizem que se ganha experiência, sim muita, até porque se faz necessário muita experiência para estar sempre fazendo a dieta certa, cuidando do maldito colesterol, e o coração ? Por enquanto vai bem obrigado. Varizes, artroses, reumatismos, gota, osteoporose, menopausa, libido em baixa, Deus ! Afasta de mim essas velinhas, esse maldito bolo e as irritantes línguas de sogra.
Não vou, me recuso a falar das... rugas, esse amontoado de pele sob meus olhos, quero demitir-me de mim, quero minha cara de volta, aquela lisinha, pele de pêssego, devolvam-me os cabelos ainda castanhos sem branquelos intrusos a me fazerem gastar fortunas em “vermelhos intensos acaju”. Comemorar o que ?
É um tal de aumenta isso, diminui aquilo, o corpo vai ficando em forma, forma de barril, não me atrevo a usar mais aquelas sainhas que já arrancaram assobios, não me vejo ouvindo vaias, não sou mais eu, esta não sou mais eu, mesmo que me chamem pelo mesmo nome e, que no maldito CPF esteja lá gravado a minha real identidade.
Não me chamem de senhora, não me dêem lugar no ônibus, não me passem a frente nas filas e não me digam, “___ Tia, você no alto de sua experiência! “...
Comemorar o que ? Ando achando a juventude tão banal, a moda longe do meu bom gosto, a música tão aquém de minhas bossas, a noite tão grande e cansativa, o vizinho um chato barulhento e os sobrinhos um porre, sinais do tempo ou da idade?
Devolvam-me o que já fui, mentira dizer que envelhecer é nobre, uma ova ! Ando tendo paciência pra passar horas com um livro na mão, mas me recuso a mudar de sala no chat da internet. Ando inventando pratos na cozinha, já não me apraz os fast foods. Comprei como por ímpeto uma camisola e meias de lã, por que não mais dormir sensualmente semi despida e com os pés descalços ?
O que há de bom em acordar sempre antes de todos, tratar dos passarinhos e fazer o café ?
O que há de bom em perceber que todos os mais bonitos e sensuais são muito novos pra mim?
O que há de bom em ir a reuniões escolares do ensino médio ? Agora da Faculdade, rsss
Não, nada a comemorar !
Me resta a canção:

Parabéns pra você,
por mais vida perdida,
já passastes da idade,
Se aposenta querida !
Abnegada Abgail

REVOLUÇÃO EM MIM


Em pessoa, a revolução nos observa, pelo espelho, em reflexo, pré eletrograma da alma, assim foi e assim será o início, o meio e o nunca acabar. Bah tchê, ou Guevara a espreita no aprendizado do amor. Amor cubano, e do mundo, Fidel, fiel, cercado de Cienfuegos e paixão. Eu e você no cume da Sierra Maestra, exilados de medo e envoltos pelo caliente amor que vai além do Caribe, vai além das mais possíveis imaginações, fantasia que se realizou e permanece sã, insana, perene, fecunda e infinita, até que dure.

Confira

Cronicas de Abnegada Abgail
Fotografias do Mundo
Crônicas de dores passíveis
Crônicas de amores possíveis
Artigos da Revista Telas e Artes